Um giro pela Tailândia

Tailândia: bela, encantadora e surpreendente

Depois de visitar muitos lugares na Europa e na América, decidi mudar a rota e conhecer o outro lado do globo: a Ásia.

Já há algum tempo vinha pensando nessa viagem e o desejo de conhecer um novo continente só aumentava.

Os destinos escolhidos foram Tailândia e Bali, na Indonésia. Neste texto, vou falar sobre dias maravilhosos na Tailândia.

Mais uma vez fechei o Contiki (empresa de viagens), arrumei a mala e parti para o sudeste asiático.

Com cenários paradisíacos, cultura totalmente diferente, gastronomia riquíssima, religião enraizada, 90% da população tailandesa é budista, e um povo muito, mas muito simpático e sorridente, a Tailândia me encantou, superou todas as expectativas.

Foram 13 dias entre a capital Bangkok, as ilhas Koh Samui, Koh Tao e Koh Pha Ngan.

Koh Samui


O tour teve início em Koh Samui, ilha no mar de Esmeralda, no Golfo da Tailândia, com muito verde, ótima infraestrutura (hotéis, restaurantes, lojas e bares), praias, templos, pontos turísticos e vida noturna agitada.

Samui oferece inúmeros passeios, como a visita à Lamai Beach, para ver a Godfather Rock e a Grandmother Rock, jeep safari no Namuang Safari Park, local com algumas opções de aventura, como trilhas e toboáguas, o Tanim Magic Park (o Jd Secreto de Buda) e um dos pontos mais altos da ilha, o Amphoe Koh Samui.

No templo Wat Khunaram, é possível ver um monge mumificado dentro de uma redoma de vidro, que de acordo com a história, ao saber que iria morrer, o monge pediu à família que colocasse o seu corpo na posição de meditação. 

Mesmo depois da sua morte, o corpo não se decompôs. No templo, recebi a benção de um monge, que colocou uma pulseirinha de barbante no meu pulso, depois disso não consigo mais tirá-la.
 

Outra atração interessante na ilha de Samui é o templo do Big Buddha. Para quem gosta de praia sugiro a Chaweng Beach, principalmente no final da tarde onde é possível relaxar em almofadas na areia, bebericando drinks e esperando pelo pôr do sol. É lindo!

Para uma noitada divertida, o Green Mango é a melhor pedida.

Koh Tao
Se o paraíso existe, eu não duvido que seja em Koh Tao. Ilha muito pequena, próxima a Samui, mais parece um vilarejo e é ótima para a prática de snorkelling.

A partir de Koh Tao é possível conhecer Koh Nang Yuan. Uma ilha bem pequena, onde a praia tem uma faixa de areia com mar dos dois lados. É de impressionar a beleza.
Durante a noite, os bares-baladinhas colocam os turistas para dançar com o pé na areia. Conheci o Lotus Bar, o The Sunset e o FishBowl. Inclusive, em um deles, o Dj caprichou com um set de músicas brasileiras. Em Koh Tao, também é comum o show dos famosos Lady Boys.
Koh Pha Ngan

Falar dessa ilha é falar de Full Moon Party, a Festa da Lua Cheia. Não tem jeito, Koh Pha Ngan é muito conhecida por causa dessa festa que ocorre uma vez ao mês.


Dizem que tudo começou com um grupo que comemorava aniversário na praia e a partir dali o evento foi só crescendo. Hoje, conta com aproximadamente 20 mil pessoas por edição.

Tive a sorte de estar nas imediações em um final de semana em que a festa foi realizada. Neste dia, comprei um traslado de lancha, que me levou de Samui a Koh Pha Ngan. Esses traslados são comuns por lá.

Cheguei à ilha e a sensação que tive foi de estar em pleno carnaval de Diamantina/MG. As ruelas tomadas de gente de todos os lugares do mundo, uma mistura de idiomas e culturas, e todos com um mesmo objetivo: curtir a festa da lua cheia. A praia fica muito cheia, por isso recomendo ficar nas pontas, onde é possível dançar e conversar com as pessoas.

E da Full Moon Party, nasceu a Half Moon, a festa da Meia Lua, não tão cheia, mas não menos divertida, a Half Moon diferentemente da Full Moon, não é realizada na praia e sim em um espaço com muita vegetação, como se fosse uma floresta. Multi-colorida, nessas festas é comum as pessoas se pintarem com tinta fluorescente.

As praias em Koh Pha Ngan são um convite ao relaxamento, ainda mais quando se pode fazer massagem tailandesa de frente para o mar.

Bangkok
A caótica capital da Tailândia é muito interessante, não é uma cidade tão bonita, mas tem lugares belíssimos a serem visitados, como o Grand Palace. Composto por palácios, templos, capelas e museus, o Palácio Real serviu durante anos como residência da monarquia tailandesa. Hoje é aberto parcialmente ao público e ainda é usado em atos oficiais. O Buda de Esmeralda está dentro do complexo. Os ombros e as pernas devem estar cobertos para a visitação. É possível emprestar camisas e calças no local. Outro lugar muito visitado é o Wat Pho, ou Templo do Buda Reclinado. O templo faz parte do complexo do Grand Palace, mas a entrada é independente.
Mais um passeio bacana em Bangkok é o Jim Thompson House & Museum.
Jim Thompson foi um arquiteto americano que ofereceu os seus serviços ao exército, sendo assim foi chamado para mudar para a Europa com o objetivo de participar da liberação da Tailândia. A guerra acabou antes da operação militar e Jim decidiu permanecer e fixar residência em Bangkok. Ele foi um dos responsáveis por salvar a indústria da seda na Tailândia e ficou famoso também pela construção de sua casa, seu estilo revolucionou a arquitetura no país. Jim Thompson desapareceu em 26 de março de 1967, em uma viagem para a Malásia e nunca mais foi encontrado. Ninguém sabe o que aconteceu com ele. Intrigante!
Uma forma diferente de fazer compras: Float Market (Mercado Flutuante). A uma hora e meia de Bangkok, as compras são feitas dentro de uma canoa e é possível negociar com os vendedores, inclusive negociar é algo comum na Tailândia, os vendedores já esperam por isso e os descontos valem a pena.



Bangkok é uma cidade com muitas opções de lojas, shoppings, restaurantes, museus, bares e baladas. Em uma das noites, jantei no famoso Sirocco, o restaurante que aparece no filme, Se Beber não Case 2, localizado no 69º andar do Lebua Hotel. O local é lindíssimo e a vista maravilhosa, dá para tirar fotos incríveis da cidade. Se não quiser jantar você pode escolher tomar um drink no Sky Bar, anexo ao restaurante, mas se quiser experimentar o menu, sugiro fazer uma reserva pelo site com alguns meses de antecedência.

Quem curte o agito, não faltam baladas em Bangkok, recomendo a Levels e a Route 66. E para quem tiver coragem é possível degustar escorpiões, aranhas e alguns insetos na Khao San Road, a rua mais famosa e agitada da cidade. Confesso que fui corajosa e por curiosidade experimentei um escorpião, eca, eu sei.


Para se deslocar as melhores opções são táxi e o famoso tuk tuk, os preços também são negociáveis, já que os taxistas não costumar usar o taxímetro com os turistas.
Bela, encantadora e surpreendente, assim defino a Tailândia, um lugar cheio de boas energias, espiritualidade e sorrisos, foram treze dias fantásticos que passaram voando e deixaram saudade. Voltarei, com toda certeza.


Cissa Valadares
A Cissa é relações públicas, apaixonada pela vida, por viagens, passeios, baladas, bares, restaurantes e novos lugares.
@umgirocomacissa
http://facebook.com/umgirocomacissa
Snapchat: Um giro com a Cissa


Comentários

Postagens mais visitadas